Meu intercâmbio em Edimburgo, Escócia

Escócia, o país intercâmbio em edimburgodos castelos, da gaita de fole, dos kilts e do monstro do lago Ness. Um país que quase passa despercebido aos nossos olhos quando o assunto é estudar Inglês fora do Brasil. Edimburgo, a capital do país, tem apenas 486 mil habitantes. E foi justamente isso que me atraiu em estudar por lá. Apesar de ser uma capital relativamente compacta, a cidade oferece inúmeras opções tanto de diversão, gastronomia, compras, pubs, museus e estudos.

O sucesso de nosso intercâmbio está basicamente em duas escolhas: a cidade em que vamos morar e a escola em que vamos estudar. Posso afirmar que acertei em ambas as escolhas, e se tivesse que repetir a experiência novamente, não pensaria em mudar esses dois itens de forma alguma.

Olha, são tantas as experiências, as descobertas, os aprendizados e algumas atrapalhadas também (faz parte, né?) que eu poderia ficar horas e mais horas escrevendo sem parar. A escola tem uma boa estrutura, são vários níveis de turmas de inglês inciando a cada semana, além do mais a localização da Kaplan em Edimburgo é bem central, fica na New Town, bem próximo a Princes Street, uma das principais ruas comerciais da cidade. Quando eu estava na minha última semana de aula (dezembro de 2011) algumas partes da escola estavam passando por uma ampla reforma, tudo isso para oferecer melhores condições de estudo para os alunos.

Quanto ao método de ensino, é bem variado e isso vai de acordo com cada professor. Tive professores que falavam mais, outros que escreviam mais, outros que preferiam que nós falássemos mais, outros que eram mais ‘teóricos’ (muitos e muitos exercícios), enfim, era bem diversificado, então o método de ensino, tinha para todos os gostos. A maioria das pessoas acham que fazer um intercâmbio é só festa e diversão: mas não é bem assim, temos responsabilidades e muito o que estudar.

Uma dúvida que sempre aparece é quanto ao sotaque Escocês, porque realmente ele é  um pouco complicado. Apesar de que, as pessoas que moram em Edimburgo, o sotaque é mais tranquilo quando comparado com os Escoceses de outras partes do país. Conheci pessoas que eram nativas da língua inglesa, como Canadenses e Australianos, que também achavam o sotaque bem complicadinho. Mas fica o desafio! E olha só, eu sobrevivi.. =)

Um intercâmbio para estudar um outro idioma, além do objetivo óbvio, nos permite contato com pessoas, culturas e idiomas de muitos e muitos países. Nesse tempo que fiquei na Escócia, o número de brasileiros era bem pequeno, o que me possibilitou conhecer gente do mundo todo, inclusive pessoas de países que eu jamais pensei que fosse conhecer um dia, como por exemplo, Kuwait, Irã, Cazaquistão e Arábia Saudita.

A escola tem uma estrutura para auxiliar os estudantes muito boa. Eu tive meu intercâmbio dividido em duas partes, primeiro foram 6 meses e depois mais o período de um ano acadêmico. Se não fosse a escola me auxiliar na nova matrícula e me passar as coordenadas para agilizar o processo, eu teria levado muito mais tempo para conseguir voltar a Escócia para a segunda parte do intercâmbio.

Uma coisa que é legal, é que você tem total liberdade para conversar com a Coordenadora, a Gina, se não estiver contente com o período do curso por exemplo (manhã ou tarde), se quiser mudar, avançar ou voltar um nível, é  só falar com ela. Isso sem falar nos professores, que realmente não tenho do que reclamar, são todos muito receptivos e ajudam a gente sempre! Só cuidado, eles tem uma memória excelente!

Quando eu voltei do intercâmbio, a pergunta que mais ouvi: realmente vale a pena estudar inglês em outro país? Vale! Vale todo o sacrifício (seja financeiro e pessoal – saudade de casa). O fato de termos um suporte no que for necessário da escola, já que de certa forma, quando a escola nos aceita, ela se torna responsáveis por nós, é um dos pontos mais importantes. Se um dia tiver oportunidade de vivenciar outro país, outra cultura e estudar em outro pais, não pense duas vezes. E não esqueça de escolher Edimburgo também =)

Bruna é catarinense, mas atualmente mora em Curitiba, no Paraná, onde cursa turismo. Continua estudando inglês, e depois de passar aproximadamente 2 anos estudando (e passeando) em Edimburgo (e na Europa), a capital da Escócia, está de volta ao Brasil desde dezembro de 2011, e com muitas histórias pra contar no blog Contando as horas, onde fala sobre as viagens que fez e as próximas!

Compartilhe